Que o atraso de voo gera uma baita dor de cabeça, isso ninguém duvida. Ganha-se a fome, o ócio, perde-se a paciência e, na pior das hipóteses, a conexão e todo o planejamento da viagem vai por água abaixo. Mas trata-se de uma companhia aérea, que lida com horário, responsabilidade e, o mais fundamental, com pessoas e seus compromissos.

Se nas relações pessoais cobramos a pontualidade como norma de etiqueta, nas relações com companhias aéreas essa norma se aplica em forma de direitos resguardados pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). O atraso de voo no embarque gera transtornos na vida pessoal e profissional do passageiro.

Segundo dados da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), no Brasil, apenas 62% das aeronaves decolam no horário marcado. Ou seja, 29% dos aviões saem dos aeroportos com mais de 30 minutos de atraso. É mais provável que o voo seja cancelado (9%) do que o atraso supere 1 hora (4%).

Leia mais sobre a pontualidade das companhias aéreas que atuam no Brasil!

Atraso de voo: direitos

A companhia aérea deve prestar serviços respectivos ao tempo de espera do passageiro. Caso o atraso de voo seja de 1 hora, deve-se disponibilizar comunicação. Se passar de 2 horas, a empresa deve garantir a alimentação do usuário. A partir de 4 horas, se for desejo do cliente, deve-se garantir hospedagem e transporte até a acomodação.

Se a empresa aérea não prestar algum desses serviços, garanta seus direitos guardando todos as suas notas fiscais de despesas e provas do ocorrido e conte conosco para resolver o seu problema. As indenizações são aceitas mesmo mediante a prestação de serviço reparatória da empresa. As situações de atraso de voo geram compensação financeira de R$ 2.000 a R$ 6.000. Se o passageiro perder a conexão, os valores chegam a R$ 8.000!