A antecipação de créditos judiciais atrai consumidores e empresas porque é uma opção muito efetiva para não ter que arcar com os custos de um processo ou esperar sua finalização.

Sabe-se que o Judiciário brasileiro age de forma lenta para resolução de casos. Então, a cessão de crédito acontece de forma a agilizar o recebimento de uma dívida que poderia levar anos para ser paga.

Esse procedimento de compra e venda de créditos é permitido no ordenamento jurídico e facilita bastante a vida de quem tem um valor de ação judicial a receber.

Para entender como funciona, acompanhe a leitura!

O que é cessão de crédito judicial?

O procedimento de cessão de crédito judicial refere-se à venda do direito de receber antecipadamente um valor a que se tem direito em uma ação judicial.

Em outras palavras, é uma forma de você conseguir o débito sem ter que arcar com incertezas relacionadas ao processo na Justiça.

Por isso, a antecipação de créditos judiciais atrai consumidores e empresas. A cessão de créditos pode ser realizada por empresas que fazem a compra e venda desses direitos. Trata-se de uma prática legal e muito comum no mercado brasileiro.

O fator mais atrativo é que esse adiantamento do valor traz a possibilidade de que os autores de um processo recebam o dinheiro de forma mais ágil, passando os riscos inteiramente para a empresa compradora do crédito, chamada de cessionária.

Dessa forma, evita-se a imprevisibilidade da burocracia ao esperar que o pagamento seja feito na Justiça, o que pode trazer diversos tipos de desgaste emocional.

Por meio da negociação de créditos, quem ganha a causa vende o valor a receber para um terceiro e se livra do processo e todos os riscos inerentes, como a possibilidade de nunca receber o valor devido até mesmo por falência da empresa devedora.

A venda do crédito judicial pode acontecer em vários momentos do processo, sendo válida e lícita a compra do crédito antes mesmo da sentença condenatória, prática amplamente aceita pela doutrina brasileira e pelo Código Civil.

A parte que venceu teria que aguardar o período de execução para poder receber, que pode durar em média 2 anos.

Por isso vale a pena a opção pela cessão de crédito e qualquer pessoa física ou jurídica que tem esse direito.

Oportunidades da antecipação de créditos judiciais durante a crise

É fato que a antecipação de créditos judiciais atrai consumidores e empresas. Vamos ver como essa prática é uma boa oportunidade nesse momento de crise.

Com a antecipação de crédito judicial, o comprador pode adiantar o pagamento do montante a que a parte teria direito ao ganhar o processo. Em geral, há um deságio que fica entre 30% a 70%.

Com a crise econômica, o mercado de cessão de créditos judiciais se tornou mais aquecido.

Grande parte das demandas provém de casos trabalhistas, mas não se restringem a esse segmento.

Este mercado de adiantamento de créditos judiciais é uma prática recorrente em outros países, como os Estados Unidos.

No Brasil, é relativamente recente, mas ganhou notoriedade com a diminuição das taxas de juros.

Na cessão de crédito, o percentual do deságio costuma levar em conta a jurisprudência e o tempo que levaria para decisão ser julgada.

Portanto, o adquirente concorda em assumir o risco e o autor da ação não precisa devolver o valor se perder o processo.

Quais as vantagens de vender créditos judiciais?

Ao saber que a antecipação de créditos judiciais atrai consumidores e empresas, é interessante analisarmos as vantagens da cessão de créditos.

O primeiro motivo para optar por esse procedimento é a antecipação financeira. A pessoa que possui uma indenização a receber, certamente, tem um planejamento para o dinheiro que vai entrar na conta.

Esse montante pode ser para pagar dívidas, fazer um financiamento, uma viagem, entre outros.

Então, quanto antes receber, melhor será. Sob essa perspectiva, a venda de crédito judicial contribui para eliminar várias fases de um processo e receber rapidamente o que é de direito, garantindo a liquidez do crédito.

Uma outra vantagem está relacionada ao aspecto emocional. Um processo na Justiça traz muitos desgastes e pode ser bem estressante.

Ter que aguardar audiências e a decisão é algo que pode trazer bastante ansiedade. Além disso, uma ação pode se desenrolar por diversos anos, afetando a qualidade de vida e o bem-estar das partes.

Nesse contexto, ao optar pela antecipação de créditos, eliminam-se esses problemas e você acaba se livrando de um processo judicial.

Cessão de crédito no ordenamento jurídico

Para entender como a antecipação de créditos judiciais atrai consumidores e empresas, veja alguns pontos relevantes do ordenamento jurídico.

Pela doutrina, entende-se que cessão de crédito é um procedimento no qual o credor transfere para outra pessoa o crédito em relação ao devedor. Então, o cessionário recebe o valor respectivo.

Trata-se de um negócio jurídico bilateral entre o credor e a outra parte. O credor é o titular do direito e possui a prerrogativa de cedê-lo.

Segundo o artigo 288 do Código Civil, a cessão de crédito “é ineficaz, em relação a terceiros, a transmissão de um crédito, se não celebrar-se mediante instrumento público, ou instrumento particular revestido das solenidades do § 1o do art. 654”.

Uma vez realizada a cessão, o credor não pode mais dispor do crédito. O artigo 295 do Código Civil diz que “na cessão por título oneroso, o cedente, ainda que não se responsabilize, fica responsável ao cessionário pela existência do crédito ao tempo em que lhe cedeu”.

De modo geral, o credor sempre tem o direito de transferir o crédito. O Código Civil diz que o credor pode ceder o seu crédito se a isso não se opuser a lei ou convenção com o devedor se houver boa-fé.

Outro motivo por que a antecipação de créditos judiciais atrai consumidores e empresas é que o credor não depende do consentimento do devedor para a transferência a terceiro.

O contrato permanece o mesmo, bem como os vínculos e as obrigações legais.

Como é a venda de créditos judiciais

A venda de créditos judiciais envolve as seguintes partes. O cedente é quem vende e tem o direito a receber.

O cessionário é a pessoa que faz a compra. Já o cedido é a pessoa que deve, ou seja, a pessoa derrotada em um processo judicial.

Portanto, o cedente pode vender o processo para uma terceira parte por meio da intermediação de uma plataforma entre quem possui o crédito e quem deseja adquiri-lo.

De modo geral, há um percentual de deságio em favor do cessionário. Porém, os valores finais continuam atrativos para o autor da ação judicial.

Depois do acordo, a oficialização da cessão de crédito é feita pelo juiz do caso em um curto período de tempo.

Nesse sentido, a antecipação de créditos judiciais atrai consumidores e empresas, na medida em que a pessoa que vendeu o crédito recebe o valor a que tem direito. Por outro lado, o comprador se sujeita à titularidade do processo.

Em outras palavras, o investidor vai embolsar o valor devido por quem perdeu a ação judicial.

Se as partes preferirem, podem optar também por uma cessão parcial, na qual o cedente continua no processo. Logo, o comprador adquire apenas parte do crédito.

Para resumir, a cessão de crédito judicial acontece porque, para o cedente, é uma maneira de antecipar os valores a receber.

Do lado do cessionário, essa compra acontece como um investimento financeiro, pois há juros aplicados nos valores.

Quando pode ser realizada a cessão de crédito judicial?

A cessão de créditos judiciais é uma prática válida no ordenamento legal brasileiro. Entende-se no direito privado que o que não é ilícito, é permitido.

Então, a compra e venda de créditos judiciais funciona como qualquer outro negócio. É preciso, no entanto, haver um agente capaz, um contrato legal e um objeto lícito, que é o valor a pagar de forma lícita.

O Código Civil rege esse tipo de transação entre os artigos 286 a 198. Ou seja, o cedente pode repassar a obrigação judicial a uma terceira parte, sem que o devedor precise consentir.

Há algumas exceções, como no caso de direitos que envolvem liberdade de expressão. Nesse caso, não pode haver cessão de créditos.

Já quanto à cessão de créditos no direito trabalhista, existem alguns entendimentos divergentes na jurisprudência e na doutrina.

Para alguns juristas, o salário envolve natureza alimentar e, portanto, isso seria um impedimento para venda de créditos, pois não podem ser cedidos créditos judiciais de natureza alimentícia.

Em todo caso, a antecipação de créditos judiciais atrai consumidores e empresas nas situações em que a transação é permitida.

Qual a diferença entre cessão de crédito judicial e antecipação de recebíveis?

A opção de recebíveis é uma alternativa de crédito no mercado. Ela se aplica, por exemplo, para empresas que precisam de fluxo de caixa ou de dinheiro para investir.

Nesse caso, a empresa recebe de forma antecipada o valor das vendas a prazo. Nesse sentido, ela terá mais liberdade para utilizar o dinheiro de modo imediato.

Portanto, a antecipação de recebíveis nada mais é que uma linha de crédito para que empresas antecipem o recebimento referente às suas vendas.

Se um consumidor fez uma compra parcelada, a empresa só receberia o valor das parcelas futuramente. Porém, ao contratar a antecipação de recebíveis, o dinheiro estará disponível em poucos dias.

Para isso, as instituições financeiras costumam cobrar taxas para o valor antecipado.

Qual a diferença entre cessão de crédito judicial e securitização de recebíveis?

Sabemos que a antecipação de créditos judiciais atrai consumidores e empresas, mas é interessante entender também o conceito de securitização de recebíveis.

A securitização de recebíveis funciona por meio de um título que também antecipa pagamentos, principalmente no mercado imobiliário.

Logo, as empresas podem obter recursos sem extrapolar o limite de crédito ou de endividamento. Nessa linha, qualquer ativo que leve a um fluxo de caixa pode ser securitizado.

Então, as companhias securitizadoras lastreiam títulos imobiliários no mercado de capitais para emissão de títulos de créditos.

Conseguiu esclarecer suas dúvidas?

Se você deseja antecipar créditos judiciais, entre em contato com a Liberfly!